Feminismo/s

African Diasporic Connections in the Americas: Toni Morrison in Brazil

Stelamaris Coser

DOI: https://doi.org/10.14198/fem.2022.40.03

Resumen

Admirada mundialmente, la poderosa voz de Toni Morrison resuena en Brasil, donde desarrolló parte de su investigación para escribir Beloved, novela que definió como una indagación sobre el legado de la esclavitud en países como Brasil y Estados Unidos. Inicialmente etiquetadas como «políticamente correctas» por la prensa brasileña, sus obras han alcanzado gran visibilidad en el siglo XXI gracias a traducciones, un gran número de lectores y lectoras y una creciente atención académica. De hecho, escritoras, críticas literarias, historiadoras y profesionales culturales afro-brasileñas han logrado notoriedad sin precedentes en las últimas décadas, junto al reconocimiento tardío a Morrison y otros autores y autoras afroamericanas. Este ensayo se basa en el pensamiento feminista negro, diaspórico y decolonial para investigar cómo la escritura de Morrison está vinculada no solo con el proceso hacia la conciencia racial y el empoderamiento en Brasil, sino también con la autora Conceição Evaristo.

Palabras clave

conexiones diaspóricas; feminismo negro; empoderamiento racial; recepción brasileña de Toni Morrison; Conceição Evaristo.

Texto completo:

PDF (English) Estadísticas

Referencias

Adichie, C. (2015). Sejamos todos feministas. (Cristina Baum, Trans.). Companhia das Letras.

Afro-americana recebe o Nobel (1993, Oct. 8). Jornal do Brasil, Caderno B, 5.

Arraes, J. (2018, November 1). Colorismo e identidade. Quatro cinco um: A revista dos livros. https://www.quatrocincoum.com.br/br/resenhas/l/colorismo-e-identidade.

Arraes, J. (2020, June 4). Jarid Arraes e “A terceira vida de Grange Copeland”. Interview for TAG Livros. https://www.taglivros.com/blog/entrevista-jarid-arraes-tag-livros/.

Avena, A. (2018, November 19). IBGE: Salvador é a capital mais negra do Brasil. Bahia Econômica. https://bahiaeconomica.com.br/wp/2018/11/19/ibge-salvador-e-a-capital-mais-negra-do-brasil-e-tambem-onde-esta-maior-desigualdade-salarial-entre-brancos-e-pretos/

Bento, C. (2021, June 10). “Aqui não é seu lugar”: Sentimento de não pertencer é um desafio para os negros nas universidades. Folha de S. Paulo, A22.

Bezerra, C. (2022, January 12). Crise no Arquivo Nacional mobiliza pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Questão chega ao Ministério Público. Jornal GGN. https://jornalggn.com.br/em-observacao/crise-no-arquivo-nacional-mobiliza-pesquisadores-brasileiros-e-estrangeiros-questao-chega-ao-ministerio-publico/

Black Population in US (2019). Black Demographics. https://blackdemographics.com/

Caldwell, K. L. (2000). Fronteiras da diferença: raça e mulher no Brasil. Revista Estudos Feministas 8 (2), 91-108. http://educa.fcc.org.br/pdf/ref/v08n02/v08n02a07.pdf

Camargo, O. de (2019, October). “Trouxestes a chave?” Interview by Nabor Jr. and Neide Almeida for Revista O Menelick 2º. Ato: Afrobrasilidades & Afins. http://www.omenelick2ato.com/artes-literarias/trouxestes-a-chave

Campos, A. P.; Silva, G. V. da; & Motta, K. S. da. (Eds.). (2021). O espelho negro de uma nação: A África e sua importância na formação do Brasil. Edufes.

Cárdenas Ángulo, T. (1998). Cartas al cielo. Ediciones Unión.

Chiaretti, M. (1993, October 8). Nobel premia o “correto”. Folha de S. Paulo, Ilustrada, 4-6.

Collins, P. H. (2019). Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Boitempo. (Original work published 1990).

Companhia das Letras (2018, October 30). Penguin Random House assume majoritariamente as ações do Grupo Companhia das Letras. Blog da Companhia. https://www.blogdacompanhia.com.br/conteudos/visualizar/Penguin-Random-House-assume-majoritariamente-as-acoes-do-Grupo-Companhia-das-Letras

Coser, S. (1995). Bridging the Americas: The Literature of Paule Marshall, Toni Morrison, and Gayl Jones. Temple University Press.

Cruz, E. A. (2021, January 11). O (alto) preço da identidade. O Globo, Segundo Caderno 1.

Davies, C. B. (1994). Black Women, Writing, and Identity: Migrations of the Subject. Routledge.

Davies, C. B. (Ed). (1995). Moving beyond Boundaries: Black Women’s Diasporas. Pluto Press.

Davies, C. B. (1996). Transformational Discourses, Afro-Diasporic Culture, and the Literary Imagination. Macalester International, 3 (Article 20), 199-224. https://digitalcommons.macalester.edu/macintl/vol3/iss1/20

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. (Heci Regina Candiani, Trans.). Boitempo. (Original work published 1981).

Davis, A., & Morrison, T. (2014, October 29). Toni Morrison and Angela Davis on Friendship and Creativity. Interviews by Dan White for the UC Santa Cruz News Center. https://news.ucsc.edu/2014/10/morrison-davis-q-a.html

De Jesus, C. M. (1960). Quarto de Despejo. Francisco Alves.

Dias, G. S. (2019, April 18). Museu Afro Brasil é o melhor do mundo sobre diáspora, diz antropóloga. Carta Capital, Guia Negro. https://www.cartacapital.com.br/blogs/guia-negro/museu-afro-brasil-e-o-melhor-do-mundo-sobre-diaspora-diz-antropologa/

Duarte, C. L. (2010). Gênero e violência na literatura afro-brasileira. In Duarte C.L.; Duarte E. de A.; Alexandre M.A. (Eds.). Falas do Outro: Literatura gênero, etnicidade (pp. 229-234). Nandyala.

Duarte, E. de A. (Ed.). (2011; 2014). Literatura e afrodescendência no Brasil: Antologia crítica. UFMG. 4v.

Emecheta, B. (2017). As alegrias da maternidade. (Heloisa Jahn, Trans.). TAG Curadoria/ Dublinense.

Escritora Toni Morrison tornou-se famosa por apresentar a história dos afro-americanos. (2019, Aug. 07). Estadão Conteúdo. https://www.hojeemdia.com.br/almanaque/escritora-toni-morrison-tornou-se-famosa-por-apresentar-a-hist%C3%B3ria-dos-afro-americanos-1.733742

Estanislau, L. (2019, August 11). Literatura e resistência: O almoço de Toni Morrison com escritores negros em São Paulo. Opera Mundi. https://operamundi.uol.com.br/literatura/59885/literatura-e-resistencia-o-almoco-de-toni-morrison-com-escritores-negros-em-sao-paulo

Evans, M. (Ed.) (1984). Black Women Writers (1950-1980): A Critical Evaluation. Anchor/Doubleday.

Evaristo, C. (2005). Da grafia-desenho de minha mãe um dos lugares de nascimento de minha escrita. XI Seminário Nacional Mulher e Literatura/II Seminário Internacional. http://nossaescrevivencia.blogspot.com/2012/08/da-grafia-desenho-de-minha-mae-um-dos.html.

Evaristo, C. (2011). Regina Anastácia. In Evaristo, C. Insubmissas lágrimas de mulheres. (pp. 106-117). Nandyala.

Evaristo, C. (2017, July 30). “Os racistas saíram do armário”. Interview by Sérgio Luz for O Globo, Segundo Caderno, 3.

Evaristo, C. (2021a, February 20). Sedução brutal: Primeira escritora negra a vencer o Prêmio Nobel de Literatura [...]. Folha de S. Paulo, Ilustrada, C1.

Evaristo, C. (2021b, March 26). Escrevivência e narrativas de si: Resistências da negritude. In Narrativas e discursos pós-coloniais: Diálogos com a educação. Escritores convidados: Conceição Evaristo e Jeferson Tenório. Faculdade de Educação, UFMG. https://www.youtube.com/watch?v=cJko2yanHus

Flip confirma torneio internacional de slam na programação oficial (2019, Jun 04). Revista Forum. https://revistaforum.com.br/flip-confirma-torneio-internacional-de-slam-na-programacao-oficial/

Gilroy, P. (2001). O Atlântico Negro: Modernidade e dupla consciência. Editora 34/ Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (Original work published 1993).

Glissant, É. (2005). Introdução a uma poética da diversidade. (E. A. Rocha, Trans.). Editora UFJF. (Original work published 1996).

Gonçalves, Ana Maria. (2006). Um defeito de cor. Record.

Gonzalez, L. (2011). Por um feminismo afro-latino-americano. Caderno de formação política do Círculo Palmarino, 1, 12-20. (Original work published 1988). https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/271077/mod_resource/content/1/Por%20um%20feminismo%20Afro-latino-americano.pdf

Gray, A. (2021, February 18). Toni Morrison as an Editor Changed Book Publishing Forever. Zora/Medium. https://zora.medium.com/toni-morrison-as-an-editor-changed-book-publishing-forever-5b6127a40afa

Guimarães, G. (1989). A cor da ternura. FTD.

Hall, S. (2001). A identidade cultural na pós-modernidade. (T. T. da Silva and G. L. Louro, Trans.). DP&A. (Original work published 1992).

Hall, S. (2003). Da Diáspora: Identidades e mediações culturais. (A. La Guardia Resende et al., Trans.). Org. Liv Sovik. Editora UFMG/ UNESCO do Brasil.

hooks, b. (2019). “E eu não sou uma mulher?”: Mulheres negras e feminismo. (Libanio Bhuvi, Trans.). Rosa dos Tempos. (Original work published 1981)

hooks, b. (2013, 2017). Ensinando a transgredir. (Marcelo B. Cipolla, Trans.). Martins Fontes. (Original work published 1994).

Jardim, L. (2021, May 23). “Negros na Mira”. O Globo, 10.

Kincaid, J. (2020). A autobiografia da minha mãe. (Débora Landsberg, Trans.). Alfaguara.

Laborinho, A. P. (2019, February 09). Eu sou porque tu és. Jornal de Notícias, Porto. https://www.jn.pt/opiniao/ana-paula-laborinho/eu-sou-porque-tu-es--10560872.html

Larsen, N. (2020). Identidade [Passing]. HarperCollins Brasil. (Original work published 1929).

Lirismo e denúncia (1993, October 13). Veja 26(41), 102-102. https://doi.org/10.1007/BF01187074

Lorde, A. (2021). Zami: Uma nova grafia do meu nome - uma biomitografia. (Lubi Prates, Trans.). Elefante Editora.

Marley, B. (1973). Get Up, Stand Up. Bob Marley & The Wailers, Burnin!. https://www.youtube.com/watch?v=AeCHP-4iRbM

Mignolo, W. (2003). Histórias locais/projetos globais: Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. UFMG.

Morrison, T. (1977). Song of Solomon. A Signet Book/ New American Library.

Morrison, T. (1984). Rootedness: the Ancestor as Foundation. In Evans, M. (Ed.), Black Women Writers 1950-1980. (pp. 339-345). Anchor Doubleday.

Morrison, T. (1987a, September 28). The Ghosts of “Sixty Million and More’. Interview by Walter Clemons for Newsweek, 75.

Morrison, T. (1987b). Pérola Negra [Tar Baby]. (Evelyn Kay Massaro, Trans.). Editora Best Seller.

Morrison, T. (1998a). Paraíso [Paradise]. (José Rubens Siqueira, Trans.). Companhia das Letras. (Original work published 1998).

Morrison, T. (1998b, October 17). Ruby, a cidade que pecou por amar em excesso. Interview by João Ximenes Braga for O Globo: Prosa & Verso, 2.

Morrison, T. (2007a). Amada. [Beloved]. (José Rubens Siqueira, Trans.). Companhia das Letras. (Original work published 1987c).

Morrison, T. (2007b, September 11). Racismo ainda é forte nos EUA. Interview by Marília Martins for O Globo: Segundo Caderno, 1.

Morrison, T. (2014, July 24). Toni Morrison fala sobre o dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha. Interview by Elemara Duarte for Hoje em Dia. Portal Geledés. https://www.geledes.org.br/toni-morrison-fala-sobre-o-dia-da-mulher-afro-latino-americana-e-caribenha/

Morrison, T. (2019). O olho mais azul [The Bluest Eye]. (M. P. Ferreira, Trans.). Companhia das Letras/TAG. (Original work published 1970).

Morrison, T. (2021). Sula. (D. Landsberg, Trans.). Companhia das Letras/TAG. (Original work published 1974).

Nobel de Literatura vai para escritora negra (1993, October 8). Folha de S. Paulo, Ilustrada, 4/6.

Perrone-Moysés, L. (1998, August 2). Literatura contra Barbárie. Interview by Alcino Leite Neto for Folha de S. Paulo, Mais! 5/4-5/5.

Peterson, N. J. (1993, Fall/Winter). Introduction: Canonizing Toni Morrison. Modern Fiction Studies 39 (3/4), Double Issue on Toni Morrison, 461-479. https://doi.org/10.1353/mfs.0.0383

PNAD/IBGE (2019, May 22). https://static.poder360.com.br/2019/05/ibge-pnad-2019.pdf

Quilombhoje (2021). Cadernos Negros. https://www.quilombhoje.com.br/site/

Ratts, A. (2006). Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento (PDF). Instituto Kuanza/Imprensa Oficial.

Ribeiro, D. (2019a, March 25). Entrevista: Djamila Ribeiro e O olho mais azul. TAG Blog. https://www.taglivros.com/blog/entrevista-djamila-ribeiro-tag-livros/

Ribeiro, D. (2019b, August 6). Toni Morrison foi farol em mares turbulentos, diz Djamila Ribeiro. Folha de S. Paulo, Ilustrada. https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2019/08/toni-morrison-foi-um-farol-para-embarcacoes-em-mares-turbulentos.shtml

Ribeiro, D. (2019c). Pequeno manual antirracista. Companhia das Letras.

Santos, H. d. (1998, May 6). Para além da cor: Com Alice Walker e outros autores, a literatura negra está finalmente abandonando o gueto. Veja, 141.

Shange, N. (1983). Bocas: A Daughter’s Geography. A Daughter’s Geography (pp. 21-23). St. Martin´s.

Spillers, H. J. (Ed). (1991). Comparative American Identities: Race, Sex, and Nationality in the Modern Text. Routledge.

Tenório, J. (2020). O avesso da pele. Companhia das Letras.

Tenório, J. (2021a). “Agora é a minha vez”. Interview by Beatriz Resende, Jorge Amaral and Lucas Bandeira for Z Cultural: Revista do Programa Avançado de Cultura Contemporânea, UFRJ, XVI (1). http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/agora-e-a-minha-vez-entrevista-com-jeferson-tenorio/

Tenório, J. (2021b, June 15). Seja um leitor antirracista. GZH. https://gauchazh.clicrbs.com.br/colunistas/jeferson-tenorio/noticia/2021/06/seja-um-leitor-antirracista-ckpyk0imi002p0180vjzkdt4l.html

U.S. Census Bureau (2019, July 1). Population estimates. https://www.census.gov/quickfacts/fact/table/US/PST045219

Vieira Jr., I. (2021a, February 10). Terças Literárias da UBE: Entrevista com Itamar Vieira Junior. Interview by Sandra Espilotro for UBE (União Brasileira de Escritores). https://www.youtube.com/watch?v=Y9IrnF29kv4

Vieira Jr., I. (2021b, May 20). Entre vozes e silêncios, entre forças e resistências: as fraturas do Brasil profundo em Torto Arado. Interview by Vânia Vasconcelos and João Neto for Café Literário. Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus 5. https://www.youtube.com/watch?v=loQ75b_8UCk

Violência contra negros e negras no Brasil & Infográfico (2019, November 22). Fórum Brasileiro de Segurança Pública. https://forumseguranca.org.br/publicacoes_posts/a-violencia-contra-negros-e-negras-no-brasil/




DOI: https://doi.org/10.14198/fem.2022.40.03





Copyright (c) 2022 Stelamaris Coser

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.